Entenda porque Seguro de Vida Resgatável não é Investimento Financeiro

Entenda porque Seguro de Vida Resgatável não é Investimento Financeiro

Seguro de Vida Resgatável e Investimento Financeiro muitas vezes acabam sendo confundidos. Um serve para garantir o bem-estar de uma pessoa e da sua família, o outro é focado no acúmulo de riquezas. Leia este artigo e entenda tudo sobre o assunto!

Antes de diferenciar o Seguro de Vida Resgatável de um Investimento Financeiro, é importante entender o que é cada um. Indo além, é importante identificar o impacto desses dois itens nas nossas vidas.

O que é um Seguro de Vida?

O Seguro de Vida é um tipo de seguro, que possui como objeto segurado, a Vida.

Ou seja: em caso de morte, a família do segurado tem direito a uma indenização. É uma espécie de proteção financeira para a família.

Além disso, existem outras coberturas que podem variar a cada apólice. Uma delas é a cobertura para doenças graves: em caso de uma doença, o segurado pode ter acesso ao prêmio, ainda em vida. É um benefício que leva estabilidade financeira para as pessoas em ocasiões delicadas.

Seguro de Vida Resgatável

Existe no mercado o Seguro de Vida Resgatável, nesta modalidade, o cliente recebe de volta uma parte do valor pago à seguradora após um determinado período. Possui as coberturas normais de um Seguro de Vida, entretanto tem esse benefício.

O que é um Investimento?

Um investimento é um valor gasto ou aplicado, o qual se espera um retorno positivo. A pessoa aplica um dinheiro X e espera receber um valor maior do que X futuramente.

Um investimento não necessariamente deve ser um investimento financeiro, pode ser um curso, onde é mais difícil mensurar o retorno, por se tratar de investimento em capital intelectual.

Mas sempre, em qualquer hipótese, quando se investe, é esperado um retorno maior do que o que se investiu.

Por que um Seguro de Vida Resgatável não deve ser considerado um Investimento?

A partir do que foi apresentado, vem o questionamento: se eu vou receber um valor com um Seguro de Vida Resgatável, por que não é um investimento?

A resposta vem de dois motivos. 

O primeiro é que você não faz o Seguro de Vida, mesmo que resgatável, pensando em ganhar dinheiro, mas sim, na proteção que isso virá a trazer em alguma ocasião, de morte ou doença, por exemplo.

O segundo motivo é que o valor a ser recebido, é uma parte do valor investido e não um valor maior do que o investido. Sendo assim, você não irá ganhar mais dinheiro do que pagou na apólice do Seguro.

Claro também que se você for considerar como um investimento em qualidade de vida, este seguro pode se encaixar. É importante deixar claro que não é um investimento para ganhar dinheiro.

Ainda assim, vale a pena ter um Seguro de Vida?

A resposta é simples e clara: com certeza!

Sendo da modalidade Resgatável ou não, o Seguro de Vida é muito importante para qualquer um. 

E os motivos para isso são claros, todos os humanos estão passíveis a problemas de saúde, podendo ficar de cama por alguns anos, o que gera uma despesa financeira extremamente elevada. 

Ou em caso de morte, onde mesmo que o indivíduo deixe uma herança, é necessário ter dinheiro “rápido e vivo”. Isso porque para ter acesso a herança, é necessário pagar os custos com inventário e outros impostos.

Vale ressaltar que muitas famílias não conseguem resgatar suas heranças por não conseguirem pagar os custos do inventário.

Tanto um Seguro de Vida, quanto um Investimento Financeiro são complementares e muito importantes em nossas vidas. O nosso dinheiro deve ser investido de modo a gerar mais riquezas para nós, sempre em equilíbrio, é claro. Enquanto que um Seguro de Vida gera um bem-estar em caso de adversidades da vida.

 

Caso você tenha alguma dúvida, com relação a Seguro de Vida, fale gratuitamente com um especialista no assunto.

A Anubis Corretora de Seguros está pronta para te ajudar a escolher o Seguro de Vida que melhor se encaixa no seu perfil.

pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese